Páginas

ATENÇÃO

- Blog: Cronicas e Contos de RPG - Eduardo Teixeira (textos protegidos, sua reprodução é proibida sem a autorização prévia do autor).

SOBRE A LEITURA: VAMOS LER, POIS LER É APRENDER.


A importância da leitura vem a cada dia ganhando força em seus diversos segmentos, pois é um dos requisitos básicos na aprendizagem do indivíduo. O ato de ler é muito importante, pois a leitura vem aos poucos contribuir para a formação de leitores capazes de reconhecer as sutilezas, as particularidades, os sentidos a extensão e a profundidade de cada texto lido.

Quem lê muito escreve bem

Não há como negar que ler contribui para a desenvoltura na escrita, pois vamos incorporando bons modelos de estruturação das ideias, ampliando repertórios, conhecendo novas palavras. Porém, é comum encontrarmos pessoas que leem muito, mas encontram dificuldades para escrever. Pode ser que isso ocorra pela qualidade da leitura. A leitura para a apreensão de conteúdos é básica; no entanto, se também prestarmos atenção na forma como os textos são compostos, podemos usufruir de todo o conhecimento a respeito da linguagem que uma leitura efetiva pode proporcionar e, assim, vamos nos tornando capazes de compor bons textos.

Vale a dica: Estar atento aos modos particulares de escrever dos diferentes autores, em especial daqueles que apreciamos, pode ser um prazer a mais na leitura. Pensar em como você próprio escreveria sobre o tema (e aventurar-se a escrever!), valendo-se do conhecimento dessas inúmeras possibilidades, ajuda-o no aperfeiçoamento de sua própria escrita.
Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

A dor de ser vítima

A dor de ser vítima

Os fatos que irei relatar agora, devem servir de alerta as autoridades vigentes de New York, afim de melhorar a segurança de seus moradores.

Mudei recentemente para a cidade e logo que cheguei, diversos fatos curiosos veem sequencialmente me acontecendo. Obra do destino? Não. O destino não seria tão cruel com um trabalhador que luta por sua sobrevivência.
Ao localizar meu ambiente de trabalho “The New York Times” entro para o reconhecimento e percebo que uma brasília amarela pára na calçada, em frente ao jornal, impedindo que saíssemos de lá. Ao me aproximar do rapaz visivelmente alterado, portando uma arma letal, dançando no capô do carro um rap extremamente alto, percebi o perigo. Ele me olhou profundamente, bloqueando minha ação de pedir que ele saísse.
Percebi que se tratava do filho marginal de uma grande amiga, Mirella Arun. Rapaz implicante e que vivia para dar trabalho aos pais e que eventualmente (quase sempre) grudava chicletes em meus cabelos, implicava comigo enfim.
Esse rapaz, por pressão psicológica praticamente me obrigou a comprar drogas. Me extorquiu 200 dólares e ainda grudou em meus cabelos o chiclete nojeto que mascava.
Mais tarde, enquanto eu passeava de carro, fui novamente vítima deste meliante. Ele me seguiu, bateu meu carro com sua brasilia amarela e me encurralou em um beco do Bronx e disse:

[09:08] Play Arun (jjeanderson.claremont): sabe pq vc esta aki? Vc publicou a foto da nossa boca de fumo. Quero 2000 dólares ou você morre.

No exercício de meu trabalho, ele me amarrou no poste de iluminação pública e me bateu muito. Foram tapas e socos por minutos que pareciam horas, além de tiros na perna, nas mãos. Queria me matar aos poucos. Porém, ele não esperava que o comandante Danohr Mcandrews estivesse em ronda exatamente na hora em que tudo aconteceu.
Uma negociação tensa aconteceu e encerrou com uma troca de tiros pelas ruas do bairro e eu, desta vez vitima, jogada ao chão toda ensanguentada.
Fui socorrida e aqui estou para pedir que as autoridades resolvam a situação de insegurança e criminalidade que assola Nova York, a cidade que nunca dorme e que hoje é conhecida por guerras sangrentas de gangues, que lutam entre si pela dominação de bairros rivais. Não durmam para as dores das vítimas e suas famílias.

Denise Freitas Belgar

Nenhum comentário:

Postar um comentário